Bem vindo! Sábado, 29 de Abril de 2017 - 04:21     --   Pesquise no Site                   E-mails da Prefeitura              Telefones da Prefeitura             Facebook   Twitter
Prefeitura Municipal de Manduri
Rua Bahia n: 233 - Centro
CEP:18780-000 - MANDURI/SP
Horário de atendimento:
das 08:00 as 17:00h
e-mail: contato@manduri.sp.gov.br

Contratos e Licitações

Contas Públicas

Recursos Humanos

Balanços



Sábado
29 de Abril de 2017 - 04:21

Portal SIC

Portal de Transparência

Portal de Colaborador

Emissao de Nota Fiscal Eletronica

VAF - Dipam

Visite o Site da Câmara Municipal de Manduri

Voltar

LEI Nº 1.826/2014 - DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL DE 2015

LEI  Nº 1.826/ 2014.
 
“DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL DE 2015 DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.
                       
PAULO ROBERTO MARTINS, Prefeita Municipal de Manduri,usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal de Manduri, APROVOU e ele SANCIONA e PROMULGA a seguinte lei:
 
Capítulo I
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
 
Art. 1º - Nos termos do art. 165, § 2º da Constituição Federal, Constituição Estadual, Lei nº 4.320/64 e Lei Orgânica do Município, esta Lei fixa as diretrizes orçamentárias do Município de Indiana para o exercício de 2015, orienta a elaboração da respectiva Lei Orçamentária Anual, dispõe sobre as alterações na legislação tributária, despesas de caráter continuado e atende às determinações impostas pela Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000 e Portarias da Secretaria do Tesouro Nacional - STN.
           
Parágrafo único - As normas contidas nesta Lei alcançam todos os órgãos da administração direta e indireta.
 
Art. 2º - A elaboração da proposta orçamentária abrangerá os poderes Legislativo e Executivo, entidades da Administração Direta e Indireta, nos termos da Lei Complementar nº 101, de 2000, observando-se os seguintes objetivos estratégicos:
 
                                                   I -     Ações de educação básica e saúde pública;
                                                 II -     Combater a pobreza e promover a cidadania e a inclusão social;
                                               III -     Melhoria da infra-estrutura urbana;
                                              IV -     Promover o desenvolvimento do Município e o crescimento econômico;
                                                V -     Assistência à criança e ao adolescente;
                                              VI -            Reestruturação e reorganização dos serviços administrativos, buscando maior eficiência de trabalho e arrecadação.
 
Capítulo II
DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL
 
Art. 3º - As prioridades e metas para o exercício financeiro de 2015 são os projetos especificados no Anexo de Prioridades e Metas, as quais terão precedência na alocação de recursos na Lei Orçamentária de 2015 e na sua execução, não se constituindo, todavia, em limite à programação das despesas que deverão observar os seguintes objetivos:
 
                                                        I - O desenvolvimento urbano;
                                                      II - A reestruturação e o desenvolvimento administrativo;
                                                    III - O desenvolvimento social;
                                                   IV - O desenvolvimento educacional;
                                                     V - O desenvolvimento cultural;
                                                   VI - O desenvolvimento econômico.
 
Art. 4º. Fica fazendo parte integrante desta lei os demonstrativos de metas, planejamento, riscos fiscais, estrutura de registros e unidades orçamentárias e executoras, contendo:
 
-          Anexo IV – Estrutura de órgãos, unidades orçamentárias e executoras;
-          Anexo V - Descrição dos Programas governamentais Metas/Custos para o exercício;    
-          Anexo VI – Planejamento Orçamentário – Unidades Executoras e Ações Voltadas ao Desenvolvimento do Programa Governamental;
-          Demonstrativo de Metas e Riscos Fiscais, compreendendo:
a)       Demonstrativo I – Metas Anuais;
b)       Demonstrativo IV – Evolução do Patrimônio Líquido;
c)       Demonstrativo V – Origem e Aplicação dos Recursos Obtidos com a Alienação de Ativos;
d)       Demonstrativo VII – Estimativa e Compensação da Renúncia da Receita;
e)       Demonstrativo VIII – Margem de Expansão das Despesas Obrigatórias de Caráter Continuado;
f)        Anexo de Riscos Fiscais – Demonstrativo de Riscos fiscais e
Providências;
 
                                               Parágrafo Único: para cumprimento do disposto no § 1º do art. 48 da Lei Complementar nº 101/00 – LRF, o executivo realizará audiências públicas para discussão das metas e prioridades, antes do envio de cada projeto à Câmara de Vereadores, no prazo fixado no “caput”, ficando garantido a participação popular.
 
Art. 5º - A Lei Orçamentária conterá uma reserva de contingência, equivalente a no mínimo 0,50% (meio por cento) da receita corrente líquida apurada no 2º Quadrimestre do exercício de 2014, a ser prevista na proposta orçamentária.
 
§ 1º - O valor fixado de “reserva de contingências” terá como critério de utilização o atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos que vieram a ocorrer no exercício de 2015.
 
 § 2º - No caso de não ocorrer passivos contingentes até o encerramento do 2º quadrimestre do exercício de 2015, o valor da Reserva de Contingências poderá ser utilizado para cobertura de créditos adicionais especiais e suplementares.
 
Capítulo IIi
DAS ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO
DA LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015
 
Art.- O Projeto de Lei Orçamentária Anual, que compreenderá o orçamento fiscal, será elaborado de forma consolidada, em conformidade com as diretrizes fixadas nesta Lei, com o art. 165, §§ 5º, 6º, 7º e 8º, da Constituição Federal, Constituição Estadual, Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de 1964, assim como à Lei Complementar nº 101 de 04 de Maio de 2000, portarias interministeriais da Secretaria do Tesouro Nacional – STN e normas aplicáveis à contabilidade pública.
 
§ 1º - O orçamento fiscal discriminará a despesa por unidade orçamentária, detalhada por programa, função, sub-função, categoria econômica, grupos de despesa, e modalidade de aplicação, nos termos das portarias do Ministério da Fazenda e do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.
 
 
 
§ 2º - O Prefeito Municipal discriminará, o desdobramento suplementar da classificação da despesa, relativa a sub-elementos da despesa, conforme portaria nº 448/2002, ou desmembramento por fonte de recursos, conforme novas regras do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo – Projeto AUDESP.
 
Art.- Atendidas as metas priorizadas para o exercício de 2015, a Lei Orçamentária poderá contemplar o atendimento de outras metas, desde que façam parte do Plano Plurianual, a ser estabelecido, podendo, se necessário, incluir programas não elencados, desde que demonstrada à fonte de recursos para sua aplicação.
 
Art. 8º - A proposta que o Poder Executivo encaminhar ao Poder Legislativo obedecerá as seguintes diretrizes:
 
                                                      I -           as obras em execução terão prioridades sobre novos projetos, não podendo ser paralisados sem autorização legislativa;
                                                    II -           as despesas com o pagamento da dívida pública, salários ou encargos sociais terão prioridade sobre as ações de expansão dos serviços públicos;
                                                  III -           a previsão para operações de crédito constará da proposta Orçamentária somente quando já estiver autorizada pelo Legislativo, através de Lei específica.
 
Art. 9º - Para os efeitos do § 3º do art. 16 da Lei Complementar nº 101/00, entende-se como despesas irrelevantes, aquelas cujo valor não ultrapasse, para bens e serviços, no interstício do mês, os limites dos incisos I e II do art. 24 da Lei Federal nº8.666, de 21 de junho de 1993, com as respectivas alterações.
 
Art. 10 - Em atendimento ao disposto no art. 4º, inciso I, alínea “e”, da Lei Complementar nº 101 de 04 de Maio de 2000, os custos dos programas finalísticos financiados pelo orçamento municipal deverão ser apurados mensalmente mediante liquidação da despesa.
 
            § 1º - As despesas serão apropriadas de acordo com a efetiva destinação dos gastos, baseados em critérios de rateio de custos dos programas.
 
            § 2º - As despesas serão pagas de acordo com a fonte de recursos que foram efetivamente empenhadas, admitindo-se a alteração da fonte, somente através da anulação do empenho e locação em outra fonte, não sendo permitida a inversão.
 
            § 3º - A avaliação dos resultados far-se-á a partir da apuração dos custos e das informações físicas referentes às metas estabelecidas na LDO, quadrimestralmente.
           
            § 4º - Para os efeitos deste artigo, considera-se programa finalístico aquele cujo objetivo estratégico é o de proporcionar a incorporação de um bem ou serviço para atendimento direto das demandas da sociedade.
 
Art. 11 - Quando da execução de programas de competência do município, poderá este adotar a estratégia de transferir recursos a instituições privadas sem fins lucrativos, desde que especificamente autorizadas em Lei Municipal e seja firmado convênio, ajuste ou congênere, pelo qual fiquem claramente definidos os deveres e obrigações de cada parte, forma e prazos para prestação de contas.
 
Art. 12 - As transferências financeiras entre órgãos dotados de personalidade jurídica própria, assim como os fundos especiais que compõem a Lei Orçamentária ficam condicionadas às normas constantes
 
 
das respectivas Leis instituidoras, Leis específicas ou regras determinadas pela Secretaria do Tesouro Nacional, não se aplicando o disposto no artigo anterior.
 
Art. 13 - Até 30 (trinta) dias após a publicação da Lei Orçamentária do exercício de 2015, o Executivo estabelecerá a programação financeira e o cronograma mensal de desembolso, de modo a compatibilizar a realização de despesas ao efetivo ingresso das receitas municipais.
 
§ 1º - Integrarão a programação financeira e o cronograma de desembolso:
                                                   I -                Transferências financeiras a conceder para outras entidades integrantes do orçamento municipal;
                                                 II -                Transferências financeiras a receber de outras entidades integrantes do orçamento municipal;
                                               III -                 Eventual estoque de restos a pagar processado de exercícios anteriores;
                                              IV -           Saldo financeiro do exercício anterior.
 
§ 2º - O cronograma de que trata este artigo dará prioridade ao pagamento de despesas obrigatórias e de caráter continuado do município em relação às despesas de caráter discricionário e respeitará todas as vinculações constitucionais e legais existentes.
 
§ 3º - As transferências financeiras ao Poder Legislativo será realizado de acordo com o cronograma anual de desembolso mensal, respeitando o limite máximo estabelecido no art. 29-A da Constituição Federal de 1988, introduzido pela Emenda Constitucional nº 25, de 14 de Fevereiro de 2000.
 
Art. 14 - Na forma do art. 13 da Lei Complementar nº 101, até 30 (trinta) dias após a publicação da Lei Orçamentária, o Executivo estabelecerá metas bimestrais para a realização das receitas estimadas, inclusive as receitas próprias dos órgãos da Administração Indireta.
 
Capítulo IV
DO CONTINGENCIAMENTO DAS DESPESAS E LIMITAÇÃO DE EMPENHOS
 
Art. 15Se verificado, ao encerramento de cada bimestre, que a execução da despesa orçamentária, empenhada e liquidada ultrapasse a 99,50% (noventa e nove e meio por cento) da receita efetivamente arrecadada, o Executivo e o Legislativo determinarão a limitação de empenho e movimentação financeira, em montantes necessários à preservação dos resultados estabelecidos.
 
§ 1º - Ao determinarem a limitação de empenho e movimentação financeira, os Chefes dos Poderes Executivo e Legislativo adotarão critérios que produzam o menor impacto possível nas ações de caráter social, particularmente a educação, saúde e assistência social.
 
§ 2º - Não se admitirá a limitação de empenho e movimentação financeira nas despesas vinculadas, caso a frustração na arrecadação não esteja ocorrendo nas respectivas receitas.
 
§ 3º - Não serão objeto de limitação de empenho e movimentação financeira as despesas que constituam obrigações legais do Município, inclusive as destinadas ao pagamento do serviço da dívida e precatórios judiciais.
 
§ 4º - A limitação de empenho e movimentação financeira também será adotada na hipótese de ser necessária a redução de eventual excesso da dívida consolidada em relação à meta fixada no Anexo de Metas Fiscais, obedecendo-se ao que dispõe o art. 31 da Lei Complementar nº 101, de 04 de Maio de 2000.
 
 
 
Art. 16 - A limitação de empenho e movimentação financeira de que trata o artigo anterior poderá ser suspensa, no todo ou em parte, caso a situação de frustração de receitas se reverta nos bimestres seguintes.
 
Art. 17 - A Mesa da Câmara Municipal elaborará sua proposta orçamentária para o exercício de 2015 e a remeterá ao Executivo até 31 de julho de 2014, para consolidação ao Orçamento Geral do Município.
 
§ 1º - O Poder Executivo colocará a disposição do Poder Legislativo, no mínimo 30 de junho de 2014, os estudos e estimativas das receitas para o exercício subseqüente, inclusive da corrente liquida e as respectivas memórias de cálculo, na forma prevista no art. 12, § 3º da Lei de Responsabilidade Fiscal.
 
§ 2º - A Secretaria Administração e Finanças ajustará, quando necessário, a proposta Orçamentária da Câmara de Vereadores, tendo por base a participação percentual da despesa legislativa na receita corrente municipal verificada no exercício anterior.
 
§ 3º - A participação percentual de que trata o parágrafo anterior aplicar-se-á ao montante da receita prevista na forma do art. 18, redundando no orçamento específico da Câmara Municipal.
 
§ 4º - O repasse mensal ao Legislativo, a que se refere o art. 168 da Constituição Federal, submeter-se-á ao princípio da programação financeira de desembolso, aludido nos artigos 47 a 50da Lei Federal 4.320/64.
 
Art. 18 - Os valores da receita e da despesa orçados a preços de 2014, serão corrigidos para o exercício futuro, levando-se em conta a perspectiva inflacionária.
 
Art. 19 - A estimativa da receita terá por base a média aritmética da arrecadação municipal, obtida nos doze (12) meses imediatamente anteriores ao mês em que se elabora a proposta anual.
 
§ 1º - Os valores mensais utilizados no cálculo da receita média, serão extraídos dos balancetes financeiros mensais e corrigidos, por índice oficial de preços.
 
§ 2º - Na estimativa da receita, considerar-se-ão, também, o resultado financeiro das alterações na legislação tributária local, o incremento ou a diminuição na receita transferida de outros níveis de governo e outras interferências positivas ou negativas na arrecadação do Município para o ano seguinte.
 
 
Capítulo v
DAS SUBVENÇÕES A ENTIDADES
 
Art. 20 - É vedada a inclusão de quaisquer recursos do Município, na Lei Orçamentária e nos créditos adicionais, para clubes, associações de servidores e de dotações a título de subvenções sociais, ressalvadas aquelas destinadas a entidades privadas, de natureza continuada, sem fins lucrativos, de atendimento ao público nas áreas de Assistência Social, Saúde ou Educação ou que estejam registradas no Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS.
 
§ 1º - Para habilitar-se ao recebimento de recursos referidos no caput, a entidade privada sem fins lucrativos deverá apresentar declaração de funcionamento regular nos últimos dois anos, emitida no exercício de 2014 e comprovante de regularidade do mandato de sua diretoria.
 
 
 
§ 2º - As entidades privadas beneficiadas com recursos públicos municipais, a qualquer título submeter-se-ão à fiscalização do Poder Público com a finalidade de verificar o cumprimento de metas e objetivos para os quais receberam os recursos.
 
§ 3º - Sem prejuízo da observância das condições estabelecidas neste artigo, as dotações incluídas na Lei Orçamentária para a sua execução, dependerão, ainda de:
                                                   I -                Normas a serem observadas na concessão de auxílios, prevendo-se cláusula de reversão no caso de desvio de finalidade;
                                                 II -     Identificação do beneficiário e do valor transferido no respectivo convênio.
 
§ 4º - A concessão de benefício de que trata o caput deste artigo será destinada às seguintes entidades, objetivando a manutenção e custeio das entidades beneficiadas:
 

ENTIDADE
CNPJ
OBJETO
VALOR
   FONTE
 RECURSO
Assoc. de Pais e Amigos dos Excepcionais de
 Piraju – APAE
49.856.206/0001-07
Manut. e Custeio da Entidade
    55.620,00
      Municipal
Assoc. Comunitária Manduriense de Radiofusão
 02.979.729/0001-87
Manut. e Custeio da Entidade
      8.034,00
      Municipal
Assoc. Terceira Idade Sempre Viva de Manduri
 02.336.674/0001-97
Manut. e Custeio da Entidade
    18.250,00
      Estadual
Assoc. Terceira Idade Sempre Viva de Manduri
 02.336.674/0001-97
Manut. e Custeio da Entidade
    12.360,00
      Municipal
Centro de Conv. de Manduri “José Luiz
Muller de G. Pereira”
 57.263.923/0001-53
Manut. e Custeio da Entidade
 111.240,00
     Municipal
Fundação Ferraz Egreja de Ipaussu
 44.535.706/0001-23
Manut. e Custeio da Entidade
    53.691,84
     Municipal
Lar São Vicente de Paulo de Manduri
 51.504.017/0001-17
Manut. e Custeio da Entidade
    18.187,74
     Estadual
Lar São Vicente de Paulo de Manduri
 51.504.017/0001-17
Manut. e Custeio da Entidade
    24.720,00
     Municipal
Santa Casa de Misericórdia de Avaré
 44.584.019/0001-06
Manut. e Custeio da Entidade
    17.481,74
     Municipal
Santa Casa de Misericórdia de Cerqueira César
 47.235.130/0001-77
Manut. e Custeio da Entidade
    37.080,00
     Municipal
Sociedade de Beneficência de Piraju
 54.667.316/0001-60
Manut. e Custeio da Entidade
    21.617,64
     Municipal
 TOTAL GERAL
 378.282,50
 

 
Capítulo vI
DAS DISPOSIÇÕES RELATIVAS A DESPESAS COM PESSOAL
 
Art. 21 - O aumento da despesa com pessoal, em decorrência de qualquer das medidas relacionadas no art. 169, § 1º, da Constituição Federal, poderá ser realizado mediante Lei específica, desde que obedecidos os limites previstos nos artigos 20, 22, parágrafo único, e 71, todos da Lei Complementar nº 101, de 04 de Maio de 2000, e cumpridas as exigências previstas nos artigos 16 e 17 do referido diploma legal, fica autorizado o aumento da despesa com pessoal para:
 
                                                   I -                Concessão de qualquer vantagem ou aumento de remuneração, a criação de cargos, empregos e funçõesou alteração de estruturas de carreiras; e,
 
                                                 II -          Admissão de pessoal ou contratação a qualquer título.
 
§ 1º - Os aumentos de que trata este artigo somente poderão ocorrer se houver:
 
                                                   I -                Prévia dotação orçamentária suficiente para atender às projeções de despesa de pessoal e aos acréscimos dela decorrentes;
                                                 II -     Lei específica para as hipóteses prevista no inciso I do caput; e,
                                               III -     Observância da legislação vigente no caso do inciso II do caput.
                                                                                                                       
§ 2º - No caso do Poder Legislativo, deverão ser obedecidos, adicionalmente, os limites fixados nos artigos 29 e 29-A da Constituição Federal.
 
                        Art. 22 No exercício financeiro de 2015 poderá ser alterada a estrutura de cargos e salários da municipalidade, bem como a realização de concurso público e lotação de cargos.
 
Parágrafo único. A lei que autorizar a criação e alteração de cargos deverá conter, obrigatoriamente, demonstrativo de impacto orçamentário e financeiro de que trata o art. 16 da Lei Federal nº 101/00.
 
Art. 23 - Na hipótese de ser atingido o limite prudencial de que trata o art. 22 da Lei Complementar nº 101, de 04 de Maio de 2000, a manutenção de horas extras somente poderá ocorrer nos casos de calamidade pública, na execução de programas emergenciais de saúde pública ou em situações de extrema gravidade, devidamente reconhecida por decreto do Chefe do Executivo.
 
Capítulo vii
DA AUTORIZAÇÃO PARA ABERTURA DE CRÉDITOS E SUPLEMENTAÇÃO
 
Art. 24 - O Poder Executivo é autorizado, nos termos do Constituição Federal, a:
 
                                                   I -     realizar operações de crédito por antecipação de receita, nos termos da legislação em vigor;
                                                 II -     abrir créditos adicionais suplementares até o limite de 10% (dez por cento) do orçamento das despesas, nos termos da legislação vigente;
                                               III -     transpor, remanejar ou transferir recursos, dentro de uma mesma categoria de programação, sem prévia autorização legislativa, nos termos do inciso VI, do art. 167, da Constituição Federal.
 
Art. 25 – O Prefeito Municipal poderá utilizar a abertura de créditos adicionais suplementares por Decreto somente até o limite estabelecido 10% (dez por cento), sendo que acima desse limite somente através do projeto de lei que será analisado pela Câmara.
 
Art. 26 - Observadas as Prioridades e Metas a que se refere o art. 3º desta Lei, a Lei Orçamentária ou as de créditos adicionais, somente incluirão novos projetos e despesas obrigatórias de duração continuada se:
                                                   I -                houverem sido adequadamente atendidos todos os que estiverem em andamento;
                                                 II -                estiverem preservados os recursos necessários à conservação do patrimônio público;
                                               III -     estiverem perfeitamente definidas suas fontes de custeio;
                                              IV -                os recursos alocados destinarem-se a contrapartidas de recursos federais, estaduais ou de operações de créditos com objetivo de concluir etapas de uma ação municipal.
 
Parágrafo Único - Os projetos que representem a criação, expansão ou aperfeiçoamento de ação governamental, só poderão ser incluídos se atenderem ao disposto nos incisos I e II e §§ 1º e 2º, o art.
16, da Lei Complementar nº 101/2000.
Capítulo viii
DA ALTERAÇÃO DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA
 
Art. 27 O Poder Executivo poderá propor ao Legislativo, projeto de lei versando sobre a concessão de anistia, remissão, subsídio, crédito presumido, concessão de isenção em caráter geral e não geral, alteração de alíquota ou modificação de base de cálculo que implique redução discriminada de tributos ou contribuições,   e   outros benefícios que correspondam a tratamento diferenciado, além de atender ao
 
 
disposto no art. 14 da Lei Complementar nº 101, de 04 de Maio de 2000, deve ser instruído com demonstrativo de que não prejudicará o cumprimento de obrigações constitucionais, legais e judiciais a cargo do município; que não afetará as metas de resultado nominal e primário, bem como as ações de caráter social, especialmente a educação, saúde e assistência social.
 
Art. 28 - O Poder Executivo poderá encaminhar ainda à Câmara Municipal Projetos de Lei dispondo sobre alterações na legislação tributária, especialmente sobre:
                                                   I -                Revisão e atualização do Código Tributário Municipal, de forma a corrigir distorções;
                                                 II -                Revogações das isenções tributárias que contrariem o interesse público e a justiça fiscal;
                                               III -                Revisão das taxas, objetivando sua adequação aos custos efetivos dos serviços prestados e ao exercício do poder de polícia do Município;
                                              IV -                Atualização da Planta Genérica de Valores ajustando-a aos movimentos de valorização do mercado imobiliário; e,
                                                V -                Aperfeiçoamento do sistema de fiscalização, cobrança, execução fiscal e arrecadação de tributos.
 
Capítulo ix
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
 
Art. 29 – O Prefeito enviará até o dia 30 de setembro de 2014, Projeto de Lei do Orçamento anual a Câmara Municipal, que o apreciará, até a última Sessão Ordinária de 2014, devolvendo-se a seguir para sanção.
 
Parágrafo único – No caso de não ocorrer a apreciação do Projeto de Lei do Orçamento para o exercício de 2015, no prazo definido no caput deste artigo, poderá o Poder Executivo executar 1/12 (um doze avos) mensalmente, as despesas previstas de custeio e resgates da dívida.
 
Art. 30 - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
 
                                         Prefeitura Municipal de Manduri, 23 de julho de 2014. .
 
 
 
PAULO ROBERTO MARTINS
Prefeito Municipal
 
 
 
Publicado e registrado na Secretaria Administrativa da Prefeitura, na data supra.
 
 
RONALDO ADÃO GUARDIANO
                                                    Diretor de Governo e Gestão Pública

Voltar